Assistência holística de enfermagem ao paciente infantil oncológico: a complexidade e diferenciação do cuidar

Thiago Leite Melo

RESUMO

Alguns profissionais consideram algo complexo assistir a criança com câncer de forma integral, isso porque muitos não tiveram uma formação voltada para o cuidado holístico. Nesta perspectiva este estudo foi desenvolvido com os objetivos de identificar na literatura científica a complexidade e diferenciação dos cuidados de assistência de Enfermagem a pacientes infantis oncológicos e identificar o papel do enfermeiro junto à equipe multiprofissional de saúde na assistência holística a criança com câncer e seus familiares. O método adotado para desenvolvimento desta pesquisa foi à revisão integrativa da literatura. A busca das publicações foi realizada na BVS – Biblioteca Virtual em Saúde. Os resultados demonstram que os autores que tratam deste tema são unanimes ao considerar que a família da criança com câncer, e seu cuidador a partir do diagnóstico da doença passam a conviver com sentimentos diversos, sentindo-se fragilizados e a apresentarem diferentes necessidades durante todo o processo da doença. Portanto, os profissionais de enfermagem que assistem as crianças com câncer devem além dos procedimentos técnicos destinados ao paciente para tratamento da doença, devem desenvolver uma assistência que englobe também, os cuidados aos seus familiares e cuidadores. Concluiu-se que, o enfermeiro ocupa lugar de destaque neste contexto, por manter uma relação direta com esta população, podendo auxiliar no enfrentamento do processo da doença de uma maneira menos dolorosa. Evidenciou-se, que, os cuidados de enfermagem em oncologia pediátrica na perspectiva holística são de extrema importância para a qualidade de vida das crianças e de toda sua família.
Palavras-chave: Enfermagem pediátrica. Câncer infantil. Enfermagem Holística. Cuidado Humanizado.

ABSTRACT

Some professionals consider a complex watch the child with cancer holistically, this because many have not had a dedicated training for holistic care. In this perspective this study was developed with the objective of identifying the scientific literature the complexity and differentiation of nursing care for oncological pediatric patients and identify the nurse’s role next to the multidisciplinary health team in holistic care for children with cancer and their families . The method adopted for the development of this research was to integrative literature review. A search of the literature was performed in VHL – Virtual Health Library. The results demonstrate that the authors who deal with this subject are unanimous in considering that the family of the child with cancer and their caregivers from the diagnosis of the disease begin to live with feelings. Many, feeling fragile and have different needs throughout the disease process. Therefore, nursing professionals who assist children with cancer are beyond the technical procedures for the patient to treat the disease, should develop an assistance covering also the care of their families and caregivers. It was concluded that the nurse occupies a prominent place in this context, to maintain a direct relationship with this population, and may help in coping with the disease process in a less painful way. It was evident, that the nursing care in pediatric oncology in the holistic perspective is of utmost importance to the quality of life of children and your entire family.
Keywords: Pediatric nursing. Children’s cancer. Holistic nursing. Care humanized.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALMEIDA, M. Diretrizes curriculares nacionais para os cursos universitários da área da saúde. Londrina: Rede Unida, 2003.
AMADOR, D. D. et al. Concepção dos enfermeiros acerca da capacitação do cuidado a criança com câncer. Texto e Contexto Enfermagem, v. 20, n.1, p. 94-101, 2011.
AMADOR, D. D. et al. Repercussões do câncer infantil para o cuidador familiar: revisão integrativa. Revista Brasileira de Enfermagem, v.66, n.2, p. 267-270, 2013.
ANJOS, C.; SANTOS, F. H. E.; CARVALHO, E. E. M. S. O câncer infantil no âmbito familiar. Revisão integrativa. Revista Mineira de Enfermagem, v.19, n.1, p. 227-233, 2015.
BRASIL. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Estimativa 2012: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA, 2011.
______. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Estimativa 2016: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA, 2015.
______. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Particularidades do câncer infantil. 2008. Disponível em: http://www.inca.gov.br/conteudo_view.asp?id=343. Acesso em: 11 jun. 2016.
CAMARGO, T. C., SOUZA, I. E.O. Atenção à mulher mastectomizada: discutindo os aspectos ônticos e a dimensão ontológica da atuação da enfermeira no Hospital do Câncer III. Revista Latino Americana de Enfermagem, v. 11, n.5, p. 614-621, 2003.
CAMPOS, C.J.G. Método de análise de conteúdo: ferramenta para análise de dados qualitativos no campo da saúde. Revista Brasileira de Enfermeira, v. 57, n.5, p. 611-614, 2004.
CARMO, S. A., OLIVEIRA, I. C. S. Criança com câncer em processo de morrer e sua família: enfrentamento da equipe de enfermagem. Revista Brasileira de Cancerologia, v.61, n.2, p. 131-138, 2015.
CARVALHO, E.C., TONANI, M., BARBOSA, J.S. Ações de enfermagem para combate ao câncer desenvolvidas em unidades básicas de saúde de um município do estado de São Paulo. Revista Brasileira de Cancerologia, v.51, n.4, p.297-303, 2005.
COELHO, C. D. D., FIRMINO, F. A produção do conhecimento da enfermagem brasileira na oncopediatria e sistematização da assistência de enfermagem. Revista Pesquisa e Saúde, v.11, n.3, p. 54-59, 2010.
COSTA, T. F., CEOLIM, M. F. A enfermagem nos cuidados paliativos à criança e adolescente com câncer: revisão integrativa da literatura. Revista Gaúcha Enfermagem, v.31, n.4, p.776-784, 2010.
COUTO, L. L., OLIVEIRA, I. C. S. Convivência familiar do escolar em controle da doença oncológica: perspectivas para a enfermagem pediátrica. Revista Brasileira de Cancerologia, v.58, n.1, p. 57-66, 2011.
DEPIANTI, J.R.B. et al. Benefícios do lúdico no cuidado à criança com câncer na percepção da enfermagem: estudo descritivo. Online Brazilian Journal Nursing, v.13, n.2, p. 158-165, 2014.
DIAS, C. G., et al. Enfermeiro clínico especialista: um modelo de prática avançada de enfermagem em oncologia pediátrica no Brasil. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v.47, n.6, p. 1426-1430, 2013.

DUARTE, M. L. C., ZANINI, L. N., NEDEL, M. N. B. O cotidiano dos pais de crianças com câncer e hospitalizadas. Revista Gaúcha Enfermagem, v.33, n.3, p. 111-118, 2012.
FARAH, B. F. O cuidar e as competências da equipe de enfermagem: processo de trabalho em enfermagem. 2013. Disponível em: <http://www.ufjf.br/admenf/files/2013/05/O-CUIDAR-E-AS-COMPET%C3%8ANCIAS-DA-EQUIPE-DE-ENFERMAGEM.pdf>. Acesso em: 11 jun. 2016.
FIGUEIREDO, Nice. Da importância dos artigos de revisão da literatura. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, São Paulo, v. 23, n. 1/4, p. 131-135, jan./dez. 1990.
FRANÇA, J. R. F. S. et al. Vivência de enfermeiros no cuidado a criança em fase terminal: estudo à luz da teoria humanística de enfermagem. Ciência Cuidado e Saúde, v. 13, n.3, p. 425-432, 2014.
GARGIULO, C. A. et al. Vivenciando o cotidiano na percepção de enfermeiras oncológicas. Texto, Contexto, Enfermagem, v.16, n.4, p. 696-702, 2007.
GEOVANINI et al. História da Enfermagem: versões e Interpretações. 2.ed. Rio de Janeiro: REVINTER, 2010.
LEITE, R. S., NUNES, C. V., BELTRAME, I. Humanização hospitalar: análise da literatura sobre a atuação da enfermagem. São Paulo: SOBRAGEN; 2006.
LEMOS, R. C. A. et al. Visão dos enfermeiros sobre a assistência holística ao cliente hospitalizado. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 12, n.2, p. 354-359, 2010.
LOPES NETO, D. NOBREGA, M. M. L. Holismo nos modelos teóricos de enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem, v.52, n.2, p.233-242, 1999.
LOPES NETO, D., PAGLIUCA, L.M.F. Abordagem holística do termo pessoa em um estudo empírico: uma análise crítica. Revista Latino Americana de Enfermagem, v.10, n.6, p.825-830, 2002.
MACHADO, M. M. T., LEITÃO, G. C. M., HOLANDA, F. U. X. O conceito de ação comunicativa: uma contribuição para a consulta de enfermagem. Revista Latino Americana de Enfermagem, v.13, n.5, p. 723-728, 2005.
MENEZES, M.F.B. et al. Câncer, pobreza e desenvolvimento humano: desafios para a assistência de enfermagem em oncologia. Revista Latino Americana de Enfermagem, v.15, p. 780-785, 2007.
MONTEIRO, A.C.M. et al. A atuação do enfermeiro junto à criança com câncer: cuidados paliativos. Revista de Enfermagem da UERJ, v.22, n.6, p. 778-783, 2014.
MUTTI, C. F., PADOIN, S. M. M., PAULA, C. C. Espacialidade do ser profissional de enfermagem no mundo do cuidado a criança que tem câncer. Escola Anna Nery Enfermagem, v.16, n.3, p. 493-499, 2012.
NASCIMENTO et al . Crianças com câncer e suas famílias. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 39, n. 4, p.469-474, 2005.
PEREIRA, D. M. B., BERTOLDI, K., ROESE, A. Percepções dos profissionais de enfermagem na assistência a crianças portadoras de câncer. Revista de Enfermagem da UFSM, v.5, n.1, p. 112-120, 2015.
PIRES, D.; KRUSE, H.; SILVA, E. A enfermagem e a produção do conhecimento. Jornal da Associação Brasileira de Enfermagem, p.14-15, 2006.
PONTES, A.R.B. et al. A visão holística do enfermeiro frente a um paciente portador da doença de Gaucher. Anais do 61º Congresso Brasileiro de Enfermagem. 2009. Disponível em: http://www.abeneventos.com.br/anais_61cben/files/00454.pdf. Acesso em: 13 jun. 2016.
REIS, T. L. R. et al. Relações estabelecidas pelos profissionais de enfermagem no cuidado às crianças com doença oncológica avançada. Revista Chia, v. 14, n.4, p. 496-508, 2014.
RIOS, I. C. Humanização: a essência da ação técnica e ética nas práticas de saúde. Revista Brasileira de Educação Médica, v.33, n.2, p. 253-262, 2009

TEXTO COMPLETO

Revista-Sou-Enfermagem-São-Luís-01(3)-22-53-julho-setembro-2017