SÍFILIS MATERNA ASSOCIADA AO ÓBITO FETAL: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

MATERNAL SYPHILIS ASSOCIATED WITH THE FETAL OBJECT: BIBLIOGRAPHICAL REVIEW

Isadora Gomes de Sousa Lima ¹;
Adriana da Silva Barros ²;
Jayra Adrianna da Silva Sousa ³;

RESUMO

A sífilis é uma doença bacteriana infecciosa sistêmica, causada pela bactéria Treponema pallidum, sendo transmitido principalmente por via sexual. A sífilis congênita acontece por transmissão via transplacentária do Treponema pallidum da gestante infectada. O óbito fetal é a morte do feto antes de ser expulso ou extraído completamente do corpo materno, o feto com mais de 500g independentemente da idade gestacional. Sabe-se que no Brasil o número de casos vem aumentando gradativamente, em 2018 segundo a ONU cerca de 14,4% de todos os casos de sífilis adquirida notificados em gestantes. O único tratamento efetivo em gestantes é a penicilina benzatina G, é importante que o tratamento tenha início 30 dias antes do parto, o esquema terapêutico é efetivado de acordo com o momento clínico em que a sífilis está, e deve ser respeitado o intervalo recomendado das doses. O VDRL é oferecido pelo SUS e geralmente é realizado no primeiro e segundo trimestre da gravidez, momentos antes do parto e em casos de aborto para investigação da causa. A ocorrência da morte de fetos causada pelas sífilis é uma notável falha no pré – natal, por isso é essencial oferecer preservativos masculino e feminino, aconselhamento para pessoas consideradas em risco, adotando medidas preventivas efetivas que sirvam de base para elaboração de planos para as gestantes e para parceiro(os) sexual(is) na assistência pré-natal realizada pelo enfermeiro. É importante ressaltar a necessidade do acompanhamento médico e tratamento continuado evitando assim a transmissão da sífilis congênita e consequentemente o óbito fetal.


PALAVRAS – CHAVE:Sífilis materna. Sífilis congênita. Óbito fetal. Gestante. Pré-natal.

¹Graduanda em Bacharelado em Enfermagem pela Faculdade de Floriano – FAESF. (isadora_gomessousa@outlook.com)
²Docente do curso de Bacharelado em Enfermagem pela Faculdade de Floriano – FAESF. (dricalinda@gmail.com)
³Docente do curso de bacharelado em enfermagem pela Faculdade de Floriano – FAESF (jayra_adrianna@hotmail.com)

ABSTRACT

Syphilis is a systemic infectious bacterial disease caused by the bacterium Treponema pallidum, being transmitted mainly by sex. Congenital syphilis occurs through transplacental transmission of Treponema pallidum from the infected pregnant woman. Fetal death is the death of the fetus before it is expelled or extracted completely from the mother’s body, the fetus is larger than 500g regardless of gestational age. It is known that in Brazil the number of cases has gradually increased, in 2018 according to the UN, about 14.4% of all cases of acquired syphilis reported in pregnant women. The only effective treatment in pregnant women is penicillin benzathine G, it is important that the treatment begins 30 days before delivery, the therapeutic regimen is performed according to the clinical moment in which syphilis is, and the recommended interval of the syphilis must be respected. doses. VDRL is offered by the SUS and is usually performed in the first and second trimesters of pregnancy, moments before delivery and in abortion cases to investigate the cause. The occurrence of the death of fetuses caused by syphilis is a notable pre – natal failure, so it is essential to offer male and female condoms, counseling for people considered at risk, adopting effective preventive measures that serve as a basis for the preparation of plans for pregnant women and for sexual partner (s) in the prenatal care performed by the nurse. It is important to emphasize the need for medical follow-up and continued treatment, thus avoiding the transmission of congenital syphilis and, consequently, fetal death.

KEYWORDS: Maternal syphilis. Congenital syphilis. Fetal death. Pregnant. Prenatal.

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. O que pode acontecer com bebê filho de mãe portadora de sífilis?. (2014). Disponível em: http://aps.bvs.br/aps/o-que-pode-acontecer-com-bebe-filho-de-mae-portadora-de-sifilis/ acesso em 30 de outubro de 2018
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Atenção Integral às Pessoas com Infecções Sexualmente Transmissíveis/Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. – Brasília: Ministério da Saúde, 2015. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/protocolo_clinico_diretrizes_terapeutica_atencao_integral_pessoas_infeccoes_sexualmente_transmissiveis.pdf acesso em 30 de outubro de 2018
BRASIL Ministério da saúde. Sífilis. 2016 Disponível em: http://www.saude.mg.gov.br/sifilis acesso em 03 de novembro de 2018
BRASIL Ministério da saúde. Guia de bolso, para o manejo das sífilis em gestantes e sífilis congênita. 2a edição. (2016). Disponível em: https://www.google.com.br/url?Sa=t&source=web&rct=j&url=http://www.saude.campinas.sp.gov.br/doenças/sífilis/guiadebolsodasifilis_2edicao2016.pdf&ved=2ahukewj8ucpmllbeahxcg5akhc7qdamqfjaaegqlbbab&usg=aovvaw3ymghcuoct8yawiynd9rel acesso em 01 de novembro de 2018
BRASIL_FEDEREÇÃO MÉDICA BRASILEIRA_FBM. Brasil enfrenta aumento da incidência de sífilis em gestantes e bebês. (2017). Disponível em: http://portalfmb.org.br/2017/02/02/brasil-enfrenta-aumento-da-incidencia-de-sifilis-em-gestantes-e-bebes/ acesso em 03 de novembro de 2018
BRASIL Ministério da saúde. Sífilis. 2017. Disponível em: http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/sifilis-2 acesso em 03 de novembro de 2018
BRASIL_Ministério da saúde. Vigilância, prevenção e controle das ists, do HIV/Aids e das hepatites virais. Disponível em : http://www.aids.gov.br/pt-br/publico-geral/o-que-sao-ist/sifilis acesso em 01 de novembro de 2018
BRASIL_Ministério da saúde. Secretaria de vigilância em saúde. Boletim epidemiológico sífilis. 2017 Disponível em: https://www.google.com.br/url?Sa=t&source=web&rct=j&url=htttp://portalarquivos.saude.gov/images/pdf/2017/novembro/13/BE-2017-038-Boletim-Sifilis-11-2017-publicacao-.pdf&ved=2ahukewic25ubprjeahxcljakhtzdykqfjabegqlcbab&usg=aovvaw2wpmriv7xbarlj4v8wcsdd acesso em 01 de novembro

ARTIGO COMPLETO:

Revista-Sou-Enfermagem-São-Luís-031-16-23-janeiro-junho-2019